Caixa manipula balanço para pagar PLR menor e preparar privatização

124


O pagamento da segunda parcela da PLR da Caixa gerou revolta e confusão entre os funcionários, que não entenderam por que receberam valores muito abaixo das expectativas. O lucro informado no balanço está bem abaixo da projeção feita em 2016 e a direção do banco ainda alegou que a causa da queda no resultado foi a greve dos bancários.


 


Na primeira parcela, paga em outubro do ano passado, foram creditados, a título de regra básica, 54% do salário mais fixo de R$ 1.310,12, limitado a R$ 7.028,15, além da regra do adicional que previa 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2016 dividido igualmente entre os trabalhadores, com teto de R$ 2.183,53, e  da PLR Social, que corresponde a 4% do lucro líquido do banco, distribuído entre todos os trabalhadores.


 


O valor total a ser pago como PLR aos empregados da Caixa é de até 19% do lucro líquido (teto de 12,8% da regra básica mais 2,2% da regra adicional mais 4% da PLR Social). Como a Caixa projetou um lucro muito maior do que o apurado, o valor pago na primeira parcela praticamente atingiu os 19%.


 


O cálculo da PLR foi feito com base em um lucro líquido de R$ 6,71 bilhões. No entanto, o lucro foi cerca de 40% menor. “Se um empregado compromete-se com certo resultado na Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP) e alcança 60% de sua projeção, são previstas consequências. E com a administração da Caixa que errou de forma grotesca, o que deve acontecer?”, indignou-se o diretor da APCEF/SP Leonardo Quadros. “O que parece é que o resultado da empresa foi projetado por um adivinho”, completou.


 


Por que há empregados que receberam mais de R$ 4 mil e outros apenas R$ 200?


 


Como o acordo garante o pagamento mínimo de uma remuneração-base a todos os empregados, aqueles que têm salários maiores receberam, na segunda parcela, o complemento para, na soma das duas parcelas, alcançar uma remuneração-base, independente do limite de 19% do lucro distribuído a título de PLR.


 


Para os salários menores, como o lucro projetado pela Caixa foi muito maior, o valor pago na primeira parcela já havia ultrapassado uma remuneração-base. Nesses casos, sobrou muito pouco para receber agora.


 


Manobra contábil


 


O lucro da Caixa em 2016 caiu 41,8% em relação a 2015. Em setembro, quando o lucro acumulado era de R$ 3,4 bilhões, projetava-se fechar o ano com quase R$ 7 bilhões. Mas o balanço anual mostra melhoria do resultado operacional do banco, com crescimento de 271,7%. Esse desempenho decorreu dos bons resultados das receitas com operações de crédito, Títulos e Valores Mobiliários (TVM) e prestação de serviços, além disso houve queda no índice de inadimplência.


 


Análise feita pelo Dieese, a partir do balanço divulgado, observa ainda que o desempenho operacional do banco mostra que a queda no lucro (líquido e recorrente de R$ 298 milhões) foi um resultado contábil decorrente da baixa utilização de créditos tributários, fato observado em todos os maiores bancos brasileiros. “A queda foi meramente contábil. Por efeito da menor injeção de créditos tributários no ano. Portanto, não dá para afirmar que essa redução seja de responsabilidade dos trabalhadores do banco, diante de um desempenho operacional com crescimento tão expressivo (mais de 270%) e diante de melhoras em todos os indicadores, sejam patrimoniais como os de resultado”, explica Vívian Rodrigues, economista da Subseção dos Dieese, na Contraf-CUT/SP.


 


Clique aqui para ver os destaques do Dieese.


 


Os créditos tributários são valores de impostos pagos a mais e que podem ser descontados do imposto a ser pago no ano seguinte. Em 2016 a utilização de créditos tributários foi uma das principais causas do lucro estratosférico da maioria dos bancos. “A Caixa poderia ter utilizado créditos tributários, mas preferiu apresentar um balanço com resultados mais baixos. A direção já está preparando a empresa para ser privatizada. A manipulação do balanço, além de reduzir a PLR dos funcionários, ainda passa a impressão de que a Caixa é uma empresa que dá prejuízo para o governo. Lucro baixo e operação deficitária são as principais justificativas para privatizar”, destaca Luiz Ricardo Maggi, representante da Fetraf-RJ/ES na CEE-Caixa.


 


Menos agências e postos de trabalho


 


A Caixa finalizou 2016 com fechamento de 2.480 postos de trabalho em doze meses, com um total de 94.978 empregados. Entretanto, o número de clientes aumentou em 4,1 milhões (+5%), totalizando 87,1 milhões em 2016. Foram fechadas oito agências no período.


 


Em 2017, a tendência é que este quadro piore. Além do PDV de fevereiro/março, que eliminou cerca de 5 mil postos de trabalho, a direção da empresa já anunciou que vai reduzir a rede. Em entrevista coletiva no último dia 28, o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, informou que 100 a 120 agências deficitárias passarão por uma intervenção neste ano. Segundo Occhi, as alternativas são fechamento, fusão, diminuição de estrutura ou remanejamento para outro local.


 


A implementação de mudanças sem dialogar com os sindicatos e entidades associativas é mal vista pela representação dos empregados. “Todos os processos da Caixa vêm sendo feitos sem transparência e o banco acaba de anunciar a redução de mais de 100 agências. Contudo, a Contraf cobra da Caixa mais transparência e respeito com seus trabalhadores”, criticou Dionísio Reis, coordenador da CEE-Caixa.


 


No próximo dia 07 a CEE se reúne com a direção da Caixa para discutir a possibilidade de se considerar o resultado do crescimento operacional da empresa, que foi de 271,7%, para majorar os valores de PLR. “Vamos aproveitar a reunião para cobrar esclarecimentos sobre o fechamento de unidades e também cobrar, mais uma vez, a implementação das alterações negociadas da RH 184”, acrescenta Maggi.


 


Mobilização


 


O sucateamento da Caixa, que já está em andamento, e a desvalorização dos funcionários, com pagamento de uma PLR muito abaixo do esperado, são mais motivos para que os funcionários se mobilizem. As entidades representativas do funcionalismo estão convocando os empregados da Caixa para participar da Greve Geral Nacional convocada para o próximo dia 28. “O governo golpista não está perdendo tempo. Nomeou um presidente comprometido com a agenda neolilberal, que já está enxugando a estrutura da Caixa e manipulando os números para dar a entender que a empresa não é lucrativa. A Caixa está sendo preparada para a privatização e todos os brasileiros devem se mobilizar para impedir que isto aconteça. Bancos públicos são fundamentais para o desenvolvimento de um país e o Brasil e os brasileiros não podem ficar sem a Caixa”, exorta o representante da Fetraf-RJ/ES na CEE-Caixa.


 


 


Source: SAIU NA IMPRENSA – 500

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome