Abaixo-assinado contra corte de R$ 35 bi no SUS ultrapassa 150 mil assinaturas

19

Conselho Nacional de Saúde (CNS) alerta que impactos da pandemia continuarão no ano que vem. Com retorno da Lei do Teto, serviços como Farmácia Popular e o Samu ficarão ameaçados

Pandemia e demanda reprimida por procedimentos devem pressionar atendimento em Saúde no ano que vem

São Paulo – Profissionais de saúde, entidades e movimentos sociais que compõem o Conselho Nacional de Saúde (CNS) lançaram, em agosto, uma petição pública contra a retirada de R$ 35 bilhões do orçamento do Sistema único de Saúde (SUS) para 2021. Sem essas verbas adicionais, programas como o Farmácia Popular e até mesmo os esforços de vacinação em massa contra a covid-19 estariam ameaçados. Nesta terça-feira (22), mais de 150 mil pessoas já haviam aderido ao abaixo-assinado contra o corte.

O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) enviado ao Congresso Nacional não prevê os recursos emergenciais que foram aplicados neste ano para o combate à pandemia. Além disso, restabelece a vigência da Emenda Constitucional (EC) 95, – conhecida como Lei do Teto – que congelou os gastos públicos nos valores de 2017, corrigidos apenas pela inflação.

“O governo parece entender que a covid-19 vai encerrar sua ‘vigência’ entre nós no dia 31 de dezembro de 2020”, criticou o professor de economia do Instituto Municipal de Economia Superior de São Caetano do Sul (Imes) e consultor técnico do Conselho Nacional de Saúde (CNS) Francisco Fúncia.

Em entrevista a Glauco Faria, no Jornal Brasil Atual, ele afirma que o congelamento vem causando, na verdade, um “desfinanciamento” na área de saúde. Enquanto isso, além do atendimento aos pacientes contaminados pela covid-19, há também um represamento da realização de cirurgias eletivas e exames clínicos de alta complexidade, que não puderam ser efetuados neste ano em função da pandemia. Sem falar nos milhões de pacientes que fazem tratamento para doenças crônicas, por exemplo.

A tendência, portanto, segundo Fúncia, é de aumento dos gastos com atenção em saúde. Os gastos relativos a uma eventual “segunda onda” da covid-19 também não caberiam o orçamento previsto para o ano que vem.

Mobilização

“A ideia é que essa petição pública ajude a sensibilizar os parlamentares para que façam emendas a esse projeto de lei que o governo encaminhou. Exatamente para evitar que a saúde perca recursos em 2021. Repito, a perda será de R$ 35 bilhões, de um orçamento de cerca de 150 bilhões. Não é uma perda qualquer. É quase um quarto do valor”, disse o economista.

O programa Farmácia Popular, que tem custo anual de cerca de R$ 2 bilhões, ou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que custa cerca de R$ 1 bi, são exemplos de ações que devem acabar prejudicadas, caso o orçamento retroceda a valores de 2019.

Perdas

De acordo com o CNS, as perdas na saúde chegam a a R$ 22,5 bilhões desde 2018, quando a nova regra orçamentária passou a valer. Como efeito negativo, o gasto por pessoa na área caiu de R$ 594, em 2017, para R$ 583 em 2019. É uma demonstração de que a EC 95 não é sustentável para os próximos anos, segundo Fúncia. Ele defende a revogação do dispositivo, para ser substituído por outra regra fiscal que não leve a um estrangulamento dos gastos públicos em setores estratégicos.

Assista à entrevista:

Redação: Tiago PereiraGlauco Faria

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome