Artigo. O projeto de Reforma da Previdência

249


Manfredo Araújo de Oliveira 

manfredo.oliveira2012@gmail.com

Professor de Filosofia da Universidade Federal do Ceará



Passamos no Brasil à fase dos debates sobre os projetos fundamentais que revelam com suficiente clareza o projeto de sociedade do grupo que assumiu o poder. Entra em pauta primeiramente o projeto de Reforma da Previdência, algo com implicações profundas na vida de todos. A primeira coisa a considerar são as justificativas apresentadas: 1) A questão demográfica é abundantemente usada na exposição de motivos da PEC; 2) Um argumento de natureza fiscal que, embora não tão explícito no projeto, constitui o argumento predileto dos defensores da urgência e da inevitabilidade das medidas propostas. O ministro da Fazenda declarou recentemente que a Previdência brasileira “é muito generosa”, mas isso gera uma conta para a sociedade. “Essa pseudogenerosidade na Previdência gera mais juros e menos PIB”. Uma reforma se faz necessária para criar margem para outros gastos do governo, sobretudo na área social, preferentemente em função de investimentos em educação e saúde. O próprio presidente pediu apoio no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, afirmando que esta reforma se destina a ajudar os mais pobres.


Th. Piketty nos lembra que os sistemas públicos de aposentadoria se apoiam essencialmente no “princípio de repartição”: as cotas arrecadadas sobre os salários são utilizadas diretamente para pagar as pensões dos aposentados. Nos sistemas de repartição fundados sobre o “princípio de solidariedade entre gerações”, a taxa de retorno é em princípio igual à taxa de crescimento da economia: as cotas que permitirão financiar as aposentadorias futuras são elevadas de acordo com o progresso da massa salarial de tal modo que constituía interesse dos trabalhadores ativos que a massa salarial progredisse o mais rápido possível. Quando, no meio do século XX, começou-se a implantação destes sistemas, havia de fato condições ideais para este encadeamento. Ocorre que hoje a situação é profundamente diferente: a queda na taxa de crescimento reduz também o retorno. Além disso, aparece agora com toda a força o desafio do envelhecimento: cresceram as expectativas de vida e houve uma diminuição expressiva das taxas de nascimento – o que levanta questões novas.


O problema fundamental aqui é a proposta que se faz para enfrentar estes desafios. G. Delgado sugere que se procure destacar certa hierarquia factual das medidas com o objetivo básico de detectar como e quem são os grupos sociais escolhidos para o sacrifício. No nosso caso, trata-se dos idosos e inválidos em extrema pobreza (4,2 milhões de benefícios pagos. Esses são escolhidos para perder o piso do salário mínimo como valor de seus direitos assistenciais assegurados na Constituição Federal), agricultores familiares e Previdência Rural, mulheres pensionistas de classe média baixa. Uma análise exigente da proposta mostra que, na realidade, ela significa uma inversão radical daquilo que é a exigência ética básica aqui. A reforma está a serviço do novo deus de nossa situação epocal: os mercados financeiros, e não para efetivar direitos básicos. Com isso, falha radicalmente o Estado por não garantir uma distribuição equitativa dos bens e serviços essenciais na vida humana.


Source: SAIU NA IMPRENSA – 600

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome