Atenção. Terceirização está de volta

242


O governo Temer prepara mais um duro golpe contra os trabalhadores. O debate sobre a terceirização está de volta ao Congresso Nacional.


 


A Câmara Federal retomou a tramitação de um projeto de lei de 1998 – PL 4302 – considerado ainda pior do que a proposta 4330, hoje no Senado como PLC 30.



Nesta semana, quando todas as atenções estão voltadas para o Carnaval, os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fizeram um acordo para acelerar a tramitação do projeto.


  

A conjuntura requer uma reação rápida da sociedade. A terceirização é um perigo real. Muitos empresários se beneficiam da prática para exigir maior carga horária de trabalho com a redução salarial. Os dados comprovam.  



O terceirizado recebe, em média, 25% a menos do que o funcionário contratado diretamente pela empresa. Também trabalha 3 horas a mais e ainda fica menos da metade do tempo no emprego.



O bancário é uma das categorias mais prejudicadas, apesar de ter conquistado com muita luta a jornada de seis horas diárias de trabalho, em 1933, e os sábados de descanso, nos anos 1960. 



Nos bancos, uma pesquisa revela que o terceirizado recebe, em média, um terço do salário do funcionário formal. A jornada é maior e não há direito aos benefícios garantidos pela Convenção Coletiva de Trabalho, como a PLR (Participação nos Lucros e Resultados). 



Há denúncias de que em alguns bancos funcionários aceitam jornada de trabalho de até 16 horas por dia, muitas vezes aos sábados e sem pagamento de hora extra por medo de perder o emprego. Tudo para dar conta das metas. Outro dado alarmante é que doenças e mortes entre os terceirizados são mais frequentes. 


Source: SAIU NA IMPRENSA – 600

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome