Comitê lança em 11 de dezembro duas publicações em defesa do que é público

24

São versões em português e espanhol. A iniciativa é do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e conta com o apoio da Fenae. Obras reúnem estudos internacionais e desfazem fakes e mitos sobre as estatais no Brasil e em outros países

Duas publicações em defesa do que é público, uma em português e outra em espanhol, se encontram virtualmente no próximo dia 11 de dezembro, quando serão lançadas no Brasil pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, com o apoio da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae). Ambas as obras reúnem estudos internacionais e desfazem os mitos que rodeiam a luta em favor das estatais e dos bancos públicos, esclarecendo fakes e fatos sobre o patrimônio público.

A transmissão ao vivo do ato de lançamento das versões em espanhol e português está programada para as 16h de sexta-feira da próxima semana (11), seguida de debate. Poderá ser acompanhada pelo Facebook da Fenae, do Comitê de Empresas Públicas e de Rita Serrano, representante eleita dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, banco 100% público que atua como a principal operadora de políticas públicas do Estado brasileiro. Depois as obras serão disponibilizadas por download para leitura.

As duas publicações, devido ao caráter colaborativo, por buscar envolver todas as pessoas que fazem parte desta história de mobilização, direta ou indiretamente, visam reforçar a importância das empresas, dos bancos e dos serviços públicos para o desenvolvimento social e econômico das sociedades no Brasil e em diversos outros países.

Com prefácio do presidente da Fenae, Sergio Takemoto, a versão em português foi intitulada “O futuro é público: pela propriedade pública dos serviços públicos”. A publicação traz um estudo do Transnational Institute (TNI) com informações sobre mais de 1.400 casos bem-sucedidos de remunicipalização em mais de 2.400 cidades de 58 países ao redor do mundo. Esse estudo foi apresentado em meados deste ano.

Rita Serrano, que também é coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, participa da edição brasileira com o artigo “Estado pós-pandemia e as empresas públicas”, no qual lembra, entre outras coisas, que “a onda neoliberal e privatista, que voltou com força no Brasil a partir de 2016 e se intensificou no atual mandato presidencial, é fenômeno global”. Segundo a conselheira, essa situação deve ser enfrentada nas diversas esferas de governo: federal, estadual e municipal.

Versão em espanhol

A obra “Empresas públicas, fakes e hechos – Lo público em manos públicas”, já conhecida em português, depois de originalmente lançada pelo Comitê em Defesa das Empresas Públicas em 2019, ganha versão em espanhol para esclarecer mitos e realidades relacionadas às estatais.

A versão espanhola traz, na introdução, trecho da carta elaborada em outubro de 2020 durante o primeiro Encontro Internacional em Defesa das Empresas e Serviços Públicos, realizado de maneira online pelo Fórum das Américas em Defesa dos Empregos, Empresas e Serviços Públicos de Qualidade, com participação de representantes de entidades, políticos e gestores de vários países latino-americanos. Esse evento, na ocasião, discutiu a organização de trabalhadores em defesa de empresas e serviços públicos na América Latina.

Portanto, participe do ato de lançamento das novas publicações que destacam a importância das empresas e serviços públicos para os diversos países, para a sociedade e para os trabalhadores. Será no dia 11 de dezembro, a partir das 16h, com transmissão pelo Facebook.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome