Opinião – Ceará: terra das desigualdades radicais

1

Por Cleyton Monte – Cientista político, professor universitário e pesquisador do LEPeM

Pesquisas dão conta do cenário de desigualdade social radical no Ceará. Em 2020, ao mesmo tempo em que temos, segundo a Fundação Getúlio Vargas, 44,5% da população vivendo abaixo da linha da pobreza, ostentamos, de acordo com revista Forbes, o primeiro
lugar do Nordeste em número de bilionários. São 4 milhões de cearenses em situação de insegurança alimentar e 17 super-ricos investindo na Bolsa de Valores.

A Região Metropolitana de Fortaleza, com 32,7% dos domicílios sobrevivendo com renda familiar de apenas um quarto do salário mínimo (R$ 275), bate recorde na compra
de carros importados. A pandemia aprofundou o abismo social. O que isso quer dizer? Quais as causas e impactos de tamanha barbárie?

É fato, como bem disse Marx, que o capitalismo é uma máquina de produzir múltiplas desigualdades, contudo, algumas paisagens sociais oferecem marcas ainda mais devastadoras dessa situação. O Ceará é o retrato de condições estruturais
de marginalização da maioria da sua população.
Nossa história revela um passado atravessado por omissões e violências por parte do poder público. Não apenas isso. Temos um empresariado que, apesar de ser reconhecido nacionalmente por sua inovação, não se volta para a redução do fosso social gigantesco. Apesar dos avanços na última década, os governos locais não possuem margem econômica para transformar a pirâmide social. O governo federal, responsável pela coordenação e planejamento de políticas sociais e projetos de desenvolvimento, deixou de
observar tais questões. Os cearenses convivem diariamente com a face da
pobreza e, muitas vezes, desconhecem os passos dos multimilionários, aguardando uma vida menos árdua.

São dados que representam um fracasso social, verdadeira tragédia moral. Não é possível criar valores ou sonhos em meio a desequilíbrios tão graves. Precisamos de uma nova agenda pública para pensar alternativas. Não é possível que esse dilema fique de fora das eleições de 2022. Temos peças de planejamento interessantes, tais como o “Ceará
2050” e mudanças sensíveis na estrutura industrial.

É necessário qualificar o jovem para o mundo globalizado, atrair empresas sustentáveis, investir em práticas inovadoras, pensar seriamente em modelos econômicos
solidários, além de atender as famílias mais vulneráveis. Urgências do nosso tempo!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome