PID: AFBNB encaminha sugestões da base ao BNB

756

A AFBNB encaminhou ofício à Diretoria de Administração e à Superintendência de Desenvolvimento Humano do BNB no último dia 2 de agosto, no qual manifesta entendimento sobre o Plano de Incentivo ao Desligamento (PID) e, em atendimento à demanda de associados, encaminha sugestões caso o Banco venha a implementar, conforme rumores que circulam entre os trabalhadores.

Medidas como o PID não constituem saída para a solução dos problemas financeiros que assolam a maioria dos trabalhadores do BNB, muito menos reduzem os impactos causados na renda previdenciária de quem se aposenta, sendo somente um paliativo, de caráter indenizatório, e mesmo assim excludente, como tem ocorrido em edições anteriores. As sugestões apresentadas vão no sentido de equalizar os critérios do PID.

Atualização: Posteriormente às propostas enviadas nesta carta, a AFBNB elencou mais uma ao Banco: – Que seja permitida a participação de quem já seja elegível ao INSS, mas que ainda não seja beneficiário, independente do tempo no BNB.

Confira ofício na íntegra:

Fortaleza-CE, 02 de agosto de 2023

Ao Senhor

Haroldo Maia Júnior

Diretor de Administração

Banco do Nordeste do Brasil S.A.

Nesta

Assunto: PID

Prezada Superintendente,

Considerando possíveis tratativas junto ao Governo Federal na perspectiva de que seja implementada mais uma edição do Plano de Incentivo ao Desligamento (PID) de funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), manifestamos considerações, bem como formalizamos pleito acerca do assunto.

A adoção de uma medida dessa natureza (PID) não constitui política que aponte para a solução dos problemas financeiros que assolam a maioria dos trabalhadores do BNB, sobretudo quanto à questão previdenciária, em particular referente ao plano de benefício definido (BD-Capef). Tal medida traduz tão somente uma atitude paliativa, de caráter indenizatório, por não acarretar qualquer impacto na renda previdenciária, por essa permanecer em patamares demasiado inferiores ao salário percebido na ativa.

Considerando esses aspectos, ainda que o PID não integre o elenco de suas bandeiras de lutas, a AFBNB considera plausível que o BNB inclua também como público do possível programa os funcionários que ainda não sejam beneficiários do INSS. Neste mister sugere que seja observado o tempo mínimo de 30 anos de vínculo com Banco. No mesmo sentido a Associação também reivindica em relação aos que ainda não tenham completado 75 anos de idade, conforme já o fizera por ofício quando da edição programa anterior, e enfatiza que as questões acima se fundamentam no princípio da isonomia de tratamento.

Nesse sentido, colocamo-nos à disposição para debater o assunto.

Atenciosamente,

Rita Josina Feitosa da Silva

Diretora-Presidente

Com cópia para a Superintendência de Desenvolvimento Humano

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome