A grande influência de Dandara dos Palmares

1373

Quantas histórias adormecem sob o jugo da cegueira social? De quantos personagens e fatos não falamos simplesmente porque nunca foram apresentados a nós? Mais especificamente, quantas mulheres nossa memória negligencia quando a pauta do dia é resistência, bravura, luta? Sobrevivência.

Elas são inúmeras, filhas de várias partes do Brasil e do mundo. Personagens concretas de realidades opressoras, com força capaz de transgredir o decurso do tempo e inspirar uma fortuna de atividades. Não à toa, neste Dia da Consciência Negra – data criada em 2003 e instituída, por lei, em 2011 – o Verso dá destaque à figura de Dandara dos Palmares, símbolo-mor de coragem, protagonista quase apagada do registro oficial do Brasil Colonial. Não nestas linhas.

Nesse movimento, a travessia que propomos é de imersão no ofício de mulheres cujo sangue transborda energia e cuja melanina é pigmento de obstinação. Influenciadas pela irrefreável figura de Dandara, revitalizam trabalhos e conferem fôlego novo a expressões diversas. São ícones a levantar bandeiras que partilham semelhante apelo: desafiar lacunas antigas e promover reconhecimento ao lugar do negro, ao lugar da negra. Avante à luta!

No sangue, na memória

Se de geração em geração herdam-se traços, Dandara é mãe da resistência. No dia em que Zumbi teve a cabeça degolada num golpe, um ano e nove meses já teriam passado desde a morte da força feminina do Quilombo dos Palmares. A história da figura apontada como mulher do herói palmarino permanece cercada de incertezas e poucos registros, mas justifica e empodera o confronto das mulheres negras com tudo que as subjugam até hoje.

Relatos afirmam que Dandara teria se jogado de uma pedreira ao abismo, em fevereiro de 1694. A decisão extrema transparece a recusa da mulher de se entregar às forças militares que cercaram o famoso quilombo, onde viviam cerca de 30 mil pessoas distribuídas em aldeias. Não há registros do local onde a matriarca nasceu, nem da sua ascendência africana. Estudos levam a crer, contudo, que sua origem é brasileira e que ela se estabeleceu no Quilombo dos Palmares ainda quando criança. Além dos serviços domésticos, ela defendia como podia o seu povo e os três filhos que teve com Zumbi.

Líder das falanges femininas do exército negro palmarino, Dandara é descrita como uma verdadeira heroína. Ela dominava técnicas da capoeira e teria lutado ao lado de homens e mulheres em inúmeras batalhas e consequentes ataques à sua comunidade quilombola, situada na Serra da Barriga, atual região de Alagoas. De acordo com Zuleide Queiroz, professora da Universidade Regional do Cariri (Urca) e integrante do Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec), a personagem é referência, homenageada por grupos feministas pelo instinto de coragem e maternidade.

A história da figura apontada como mulher do herói palmarino permanece cercada de incertezas e poucos registros, mas justifica e empodera o confronto das mulheres negras com tudo que as subjugam até hoje.

“A decisão dela foi marcar a história. Foi uma atitude claramente pensada, não em função da força, do medo ou da violência, características facilmente atreladas ao machismo. Foi no sentido de educar as próximas gerações. Tudo ou nada!”, partilha, emocionada.

A trajetória de Dandara dos Palmares também impulsiona identificação. Com divergências do ativismo relacionado às mulheres brancas, o feminismo negro levanta pautas específicas. Enquanto as mulheres brancas buscavam equiparar direitos civis com os homens brancos, mulheres negras carregavam nas costas o peso da escravatura, ainda relegadas à posição de subordinadas; isso, porém, não se limitava apenas à figura masculina, pois a mulher negra também estava em posição servil perante a mulher branca.

Segundo Zuleide, a partir dessa percepção, o exemplo da líder de Palmares, assim como o de outras heroínas com pele de cor forte, é a base para a autonomia feminina negra. “Se antes víamos a luta das mulheres brancas pelos direitos, hoje nos reconhecemos na reconstituição da história de Dandara. É a nossa ancestralidade”.

É com o intuito de resgatar e reverberar essa posição de luta que o Grupo de Valorização Negra do Cariri (GRUNEC), entidade sem fins lucrativos, promove no interior do Estado a busca pela igualdade étnica/racial e a autoestima da população de cor negra na região caririense, onde foram encontradas, atualmente, 26 comunidades quilombolas, a maioria lideradas por mulheres. Zuleide afirma que Dandara está presente, sim, no coração e no sangue, de toda mulher negra, filhas das mulheres que se jogaram no precipício no decorrer da história.

Batuque para Dandara

Em 2016, durante cortejo no carnaval de rua, o Maracatu Nação Fortaleza homenageou Dandara dos Palmares ao levar a bravura histórica da guerreira para os olhos e ouvidos do público. Com loa reverenciando a personagem, os brincantes entoaram em alta voz: “Ê Ê Ê Dandara/ O tambor já tocou, Calunga mandou chamar/ Vai ter gira no terreiro, iaiá/ Batuque para Dandara/ Luz que alumiou a força dessa nação”.

Ao conferir destaque à mulher, o grupo buscou acrescentar novos elementos ao desfile carnavalesco por meio de uma contribuição cultural e artística focada no respeito à luta feminina, trazendo à tona a trajetória de um ícone ausente nos livros de História e consolidando um ponto de referência para todas aquelas identificadas com a estrada de resistência de Dandara.

Conforme registrado no site oficial do bloco, “‘Salve a Guerreira Dandara’ nos remete a um Brasil do período colonial e da resistência do Quilombo dos Palmares, enriquecendo a proposta do Maracatu Nação Fortaleza ao trazer as cores vivas da cultura afro-brasileira para as vestimentas e adereços; o toque ancestral dos tambores saudando uma rainha negra e sua luta pela liberdade; a presença do simbolismo incorporado na Calunga; e os elementos do universo Brasil-África como referência na montagem do desfile”.

Coletivos de mulheres negras no Ceará refletem força revolucionária de Dandara dos Palmares

Feminista, anti-racista e anticapitalista: assim é definido o Instituto Negra do Ceará – Inegra por Margarida Marques, uma das integrantes do projeto. A organização não-governamental tem como projeto político a luta contra o preconceito e a discriminação racial, sexista e de classe. Munida desse objetivo, a empreitada busca fortalecer a construção afirmativa da identidade feminina negra e propor políticas públicas que contribuam para a promoção da igualdade de gênero, raça e classe.

Image-1-Artigo-2456925-1
Zuleide Queiroz: “Reconstituir a história de mulheres negras é entender de onde vem a nossa força interior para diante de todas as diversidades”

“Os negros e negras vivem em condições de exclusão social como consequência do processo de escravização e de uma abolição que nunca se concretizou. Assim, eles são aqueles que vivem em piores condições de vida, ganham menores salários e são as maiores vítimas da violência”, situa Margarida.

Ela conta que o Inegra atua no Estado desde 2003 como desdobramento de um coletivo de 13 mulheres negras. Hoje, integra o Fórum Cearense de Mulheres (FCM), a Articulação de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) e a Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB). Entre suas principais realizações, está a Jornada pela Saúde da População Negra; o projeto Fulô do Mandacaru; e atuação no tema do encarceramento feminino, com apoio do Fundo Brasil de Direitos Humanos.

De acordo com Margarida, “superar uma realidade de opressão significa entender um outro projeto social e econômico, de inclusão, tolerância, justiça e reparação social e histórica dos que construíram a riqueza desse país através da mão de obra escravizada e foram deixados às margens do direito e da cidadania”.

Em semelhante engajamento, o Movimento Negro Unificado (MNU) atua no País há mais tempo, gestado em plena ditadura militar, em junho de 1978. Porém, foi apenas em 7 de julho do mesmo ano que a organização foi lançada publicamente, num ato realizado nas escadarias do Teatro Municipal de São Paulo, lançando as bases para a luta em todo o Brasil, inclusive no Ceará.

Dentro desse recorte, o destaque recai também sobre o Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec), entidade sem fins lucrativos que conta com a participação de Zuleide Queiroz. O projeto foi formado em 2001 com o objetivo de promover a autoestima da população negra na região caririense, propagando também a consciência sobre afrodescendência ao valorizar a história e cultura do povo.

Encontro

Nesse sentido, em tempos onde a união é cada vez mais necessária para mudar panoramas de opressão, é que vai ser realizado, nos dias 23 e 24 deste mês, o I Encontro de Mulheres Negras do Ceará, no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB). A reunião tem caráter duplo: tanto comemora os 30 anos do primeiro Encontro Nacional das Mulheres Negras, realizado em Valença, no Rio de Janeiro, quanto prepara o terreno para a edição nacional de 2018, marcado para acontecer em Goiânia, de 6 a 9 de dezembro.

A inscrição para a etapa local pode ser feita online a partir de link disponibilizado no facebook, na página do evento. A participação custa um valor simbólico de R$ 5 e deve reservar aos interessados um encorpado debate sobre a atual conjuntura cearense no que toca ao movimento negro, imprimindo força e maior alcance aos projetos no segmento.

“Tanto Dandara como todas as mulheres negras de ontem e hoje que lutam e resistem contra o racismo,  as injustiças sociais e o machismo, nos inspiram e nos fortalecem. Resgatar as memórias delas e tornar conhecida suas lutas é importante em especial às novas gerações, pois é uma maneira de recontar nossa história, escrita de maneira a invisibilizar a luta do povo negro”, reitera Margarida Marques.

*Colaborou Tainã Maciel

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome