AFBNB debate importância do FNE no programa Mundo do Trabalho

128

Os diretores da AFBNB Assis Araújo, Dorisval de Lima e Tércio Sobral participaram na manhã de hoje do programa Mundo do Trabalho, que abordou o tema “O FNE, o BNB e o Governo Lula”.

Assis destacou a importância do debate, o qual é permanente na vida da entidade, que este mês completou 37 anos: o fortalecimento do BNB e dos bancos públicos.

Tércio Sobral lembrou a finalidade dos fundos constitucionais e a operacionalização pelo Banco do Nordeste, no caso do FNE, que tem uma responsabilidade que vai além do crédito, uma vez que possui o diferencial de ser instituição de desenvolvimento. “É muito importante que esses Fundos continuem a ser operacionalizados pelos bancos públicos sobretudo o Banco do Nordeste com relação ao FNE, porque ele faz muito bem esse trabalho, basta ver os últimos resultados do Banco que só vêm crescendo. O BNB precisa ter mais capilaridade e nós estamos com expectativa grande de que com o governo Lula o aumento da rede de agências aconteça para que o Banco possa atuar mais fortemente na região”.

Assis Araújo relembrou que os ataques ao FNE são recorrentes, que sempre existiram. “São naturais de um processo de ataque aos Fundos públicos por parte do capital privado, que quer se apropriar. A gente precisa estar sempre atento”, chamando atenção para a nova investida veiculada pela imprensa sobre o uso de 30% do FNE pelos governos estaduais. “Não interessa a nós dividir os recursos do FNE, esfatiar ele não ajuda em nada porque isso quebra a questão de planejamento regional”, alertou.

O Diretor de Comunicação da AFBNB, Dorisval de Lima, fez uma explanação sobre a origem e o funcionamento dos fundos constitucionais e as especificidades do FNE, a exemplo, a aplicação de no mínimo 50% dos recursos na região semiárida.  Ele reiterou o que move a AFBNB: “a gente luta e defende que haja uma ação de estado, que os órgãos públicos sejam fortalecidos para que permaneçam e cumpram o seu papel, porque o (setor) privado não tem interesse em desenvolver e sim em lucrar. Enquanto o interesse privado é a apropriação da riqueza, lucrar para si, a ação pública objetiva o bem-estar do público. Isso por si só já explica a razão de ser de ter um banco como o BNB”. O diretor relembrou tentativas recentes de ataques ao FNE e ao BNB, a exemplo da PEC 87 e da MP 1052.

Ao final o Diretor enfatizou ainda a importância da futura gestão do BNB, que deve se debruçar sobre o fortalecimento do Banco, o que passa pelo aumento do número de agencias, concurso e nomeação dos aprovados, bem como por uma real política de recursos humanos que atenda as demandas dos funcionários. Destacou ainda a necessidade de solução da pendência sobre o Plano de Previdência Complementar (Plano BD-Capef), que impede que funcionários se aposentem efetivamente, haja vista a grande diferença do salário na ativa e o que passa a ser recebido com o benefício, além de outras bandeiras históricas.

Assista o programa na íntegra em https://www.youtube.com/watch?v=m290u6a0kkk

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome