Campanha Nacional dos Bancários 2020: É  hora de participar e reafirmar as bandeiras de luta! Unidade, democracia, participação e pluralidade são fundamentais para a vitória.

355

“O que a vida quer da gente é coragem”. A frase de Guimarães Rosa numa de suas obras nunca foi tão real quanto para esse ano de 2020. Para a classe trabalhadora com muita ênfase, sobretudo pelo adoecimento físico e mental causado pelo ‘novo coronavírus’, perda de entes queridos, dificuldades impostas e danos causados pelas condições adversas de trabalho, se somam medidas tomadas no âmbito político, que precarizam cada vez mais as relações de trabalho. Exemplos disso são as Medidas Provisórias 927 e 936, as quais trazem em seus textos verdadeiros “jabutis” – pautas enxertadas oportunisticamente a outras medidas, inclusive já derrotadas – como o fim da jornada de 6h para a categoria bancária e a redução do papel dos sindicatos na representação dos trabalhadores. Dessa forma, é imprescindível que a classe esteja unida, coesa, organizada e mobilizada para lutar e mostrar na prática que “a boiada não vai passar”.

Os trabalhadores bancários, a exemplo do que ocorre com as demais categorias, estão na linha de frente do enfrentamento à pandemia, nem de longe têm sido tratados como merecem – e não é de hoje, basta ver os lucros exorbitantes dos bancos, com crise ou sem crise, se comparados com a realidade salarial da maioria dos trabalhadores do setor.

Diante da realidade de uma conjuntura que acentua os danos sob todos os aspectos, a campanha salarial desse ano não pode passar desapercebida. Muito pelo contrário! Mais do que nunca se faz necessário estar atento e forte, com a categoria organizada, mobilizada e firme para as lutas! Os trabalhadores bancários colocam diariamente a sua vida em risco ao saírem de casa para proporcionarem os superlucros dos patrões – banqueiros e governos. Por isto são merecedores e dignos de respeito e reconhecimento. A campanha salarial se constitui em momento essencial para o estabelecimento dessa relação como um ponto forte e marcante da luta, que deve ser cotidiana e permanente.

No caso específico dos trabalhadores do BNB, a campanha salarial também se configura como um espaço para discutir as questões institucionais, somadas às peculiares do momento, afinal, ratificar a importância do Banco do Nordeste enquanto instituição de desenvolvimento, exigir critérios e direcionamentos técnicos para a instituição também é dever de todos que dedicam sua vida ao Banco.

Como sempre tem procedido, a AFBNB conclama a todos a participarem ativamente do movimento, iniciando pela inserção nos diversos fóruns da categoria conforme organização e convocação das entidades sindicais: encontros estaduais e regionais, congressos por bancos, conferência nacional, assembleias e outras atividades. Por excepcionalidade da conjuntura, esse ano os eventos acontecem por meio virtual, haja vista a situação de isolamento social decorrente da pandemia do ‘novo coronavírus’ – Covid19.

Em que pese essa conjuntura, a qualidade dos debates, a participação e a democracia devem prevalecer, bem como a unidade da categoria para que as decisões, propostas e pautas de reivindicações a serem constituídas e negociadas com os patrões contemplem as demandas da base, tanto gerais, quanto específicas, e assim seja possível estabelecer uma correlação de forças favorável para que a jornada seja efetivamente vitoriosa. Nessa perspectiva se faz necessário reafirmar as bandeiras que ainda não foram atendidas, bem como a agregação de outras, atuais, para fazer frente à realidade adversa aos trabalhadores em que prevalece a usurpação de direitos e conquistas, demissões, adoecimento, precarização, condições inadequadas de trabalho, carência de pessoal, metas incompatíveis com a realidade, entre outros aspectos peculiares da relação capital x trabalho. Assim, a AFBNB destaca algumas bandeiras que considera imprescindíveis pautar:

 RELAÇÕES DE TRABALHO
– Isonomia de tratamento
– Participação nos lucros e resultados (PLR) linear
– Reposição das perdas salariais
– Plano de cargo e remuneração
– Saúde e previdência
– Mais postos de trabalho
– Reafirmação da reintegração das demissões no governo FHC
– Garantia do trabalho e Estabilidade

BANDEIRAS GERAIS
– Defesa e fortalecimento dos bancos públicos
– Defesa dos órgãos públicos
– Contra o desmonte da Petrobras
– Estatização dos Bancos
– Defesa da democracia – não à criminalização dos movimentos socais
– Não ao racismo e ao Nazifascismo
– Unificação das lutas da classe trabalhadora
– Não ao teletrabalho estrutural (não deve ser como modelo permanente; sim, pontual).
– Política de retorno ao trabalho presencial precedida de discussão com as entidades de representação da classe.

Congresso dos trabalhadores do BNB

Como parte dos fóruns a acontecer no período da campanha nacional dos bancários, o 26º Congresso dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) está agendado para os próximos dias 10 e 11 de julho. O evento é precedido de fóruns estaduais, organizados pelos sindicatos, em cujas oportunidades são designadas as delegações que vão participar do mesmo.

O Congresso deve cumprir a função de discutir a conjuntura sob todos os aspectos, as questões gerais da categoria e específicas do BNB, para fins de encaminhamentos gerais e definição da minuta de reivindicação especifica a ser negociada com o Banco. Nesta perspectiva é fundamental que seja pautado pela ampla participação como pela pluralidade, constituindo-se, portanto, em espaço democrático do conjunto dos funcionários do BNB, com representação de todas as bases, como expressão dos diversos segmentos e entidades de representação destas bases que atuam neste âmbito.

Assim, para fins de construção da minuta e para a definição dos encaminhamentos na perspectiva de vitória, além das questões gerais apontadas acima, alguns pontos devem permear a discussão específica. Neste sentido, merece destaque:
– Isonomia de tratamento sob todos os aspectos e para todos os funcionários
– Melhores condições de trabalho
– Recomposição do plano de cargos e remuneração – Melhoria do PCR
– Recomposição do plano BD – Capef
– Defesa da Camed e da Capef – Não às resoluções 23 e 25 da CGPAR
– ‘Voto NÃO’ na alteração do estatuto da CAMED
– Manutenção do BNB como mantenedor da Caixa médica
– Reafirmação do fortalecimento do BNB
– Defesa do  FNE e sua gestão exclusiva pelo BNB
– Convocação dos aprovados no concurso
– Elevação do teto de funcionários
– Reintegracão das demissões injustas da era Byron/governo FHC
– Aumento da rede de agências do BNB
– Política de Concursos com a consequente convocação dos aprovados

Participe! Exerça seu direito e vamos fazer dessa campanha salarial um marco para reforçar a organização e as lutas da categoria bancária, em particular, dos trabalhadores do Banco do Nordeste do Brasil. 

A AFBNB ao lado dos trabalhadores
Gestão –  História e Autonomia para Lutar: a AFBNB em ação, sempre

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome