Coletivo discute segurança nas agências bancárias

2
 

Por conta da pandemia causada pelo coronavírus, a segurança bancária ficou em segundo plano, pois a prioridade passou a ser a garantia da vida, saúde e dos direitos dos funcionários e clientes. Totalmente compreensível, mas o tema segue na pauta do movimento sindical, sobretudo com a onda de ataques. Na Bahia, por exemplo, foram registradas 40 ocorrências neste ano.

Em reunião, membros do Coletivo de Segurança Bancária abordaram as atuações nos estados e municípios para cobrar dos bancos segurança nas agências, além das intervenções feitas nas assembleias legislativas e câmaras municipais, nos casos de tentativas de alterações das leis locais.

A atuação e comportamento dos bancos em cada base estiveram em debate. Também foi proposto que o Coletivo busque a Polícia Federal, em Brasília (DF), e as superintendências regionais para tratar da insegurança nas agências, assim como entrar em contato com as câmaras municipais. A intenção é implantar projetos de leis de segurança bancária para cobrar negociação com a Fenaban.

O Coletivo pretende agendar uma reunião com a Federação Nacional dos Bancos o quanto antes. O diretor de Comunicação e Imprensa do Sindicato dos Bancários da Bahia, Adelmo Andrade, participa ativamente das discussões.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome