Como pandemias passadas e atuais alimentam a ascensão de mega-corporações

36

Desde a peste bubônica empresas se aproveitam do caos social para ampliar monopólios e influenciar governos

Por Eleanor Russell e Martin Parker*

Em junho de 1348, o povo na Inglaterra começou a relatar sintomas misteriosos. Eles começaram como leves e vagos: dores de cabeça, dores e náuseas. Isto foi seguido por dolorosos nódulos negros, ou bolhas, crescendo nas axilas e virilhas, que deram nome à doença: peste bubônica. O último estágio era uma febre alta e depois a morte.

Originária da Ásia Central, soldados e caravanas haviam trazido a peste bubônica aos portos do Mar Negro. O mundo altamente comercializado do Mediterrâneo garantiu a rápida transferência da praga em navios mercantes pela Europa. A Peste Negra matou entre um terço e a metade da população da Europa e do Oriente Próximo.

Esse grande número de mortes foi acompanhado por uma devastação econômica geral. Sem trabalhadores, as plantações não podiam ser colhidas e comunidades desmoronaram. Uma em cada dez aldeias na Inglaterra (e na Toscana e outras regiões) foi perdida e nunca re-fundada.

Embora a taxa de mortalidade por COVID-19 seja muito menor que a da Peste Negra, as consequências econômicas têm sido graves devido à natureza globalizada e altamente integrada das economias modernas. Adicione a isso nossas populações altamente móveis hoje e o coronavírus, ao contrário da praga, se espalhou pelo mundo em questão de meses, não anos.

Mas outra consequência observada menos frequentemente foi o surgimento de empresários ricos e os vínculos entre empresas e governo. A longo prazo, as maiores empresas da Europa concentraram seus ativos e ganharam uma fatia maior do mercado e influência com governos. Isso tem fortes paralelos com a situação atual em muitos países do mundo. Enquanto as pequenas empresas contam com o apoio do governo para evitar o colapso, muitas outras – principalmente as muito maiores envolvidas em entrega em domicílio – estão lucrando bastante com as novas condições comerciais.

Negócio da peste negra

A perda repentina de pelo menos um terço da população da Europa não levou a uma redistribuição igualitária de riqueza para os demais. Em vez disso, homens de negócios ricos responderam mantendo dinheiro dentro da família, passando-o para seus descendentes.

Ao mesmo tempo, o declínio do feudalismo e a ascensão de uma economia baseada em salários após as demandas camponesas por melhores condições de trabalho beneficiaram as elites urbanas. Ser pago em dinheiro, e não em espécie, significava que os camponeses tinham mais dinheiro para gastar nas cidades.

Essa concentração de riqueza acelerou o surgimento de empresários mercantes que combinavam o comércio de bens com sua produção em uma escala disponível apenas para aqueles com somas significativas de capital. Por exemplo, a seda, uma vez importada da Ásia e Bizâncio, estava sendo produzida na Europa.

Esses empresários estavam em uma posição única para responder à súbita falta de mão-de-obra. Eles tinham capital líquido para investir em novas tecnologias, compensando a perda de trabalhadores com máquinas.

Representação do novo coronavírus. Foto: Fusion Medical Animation/Creative Commons/Unsplash

A era da Amazon

Avançando para o presente, existem algumas semelhanças claras. Certas grandes organizações têm intensificado as oportunidades oferecidas pelo COVID-19. Em muitos países, ecologias inteiras de pequenos restaurantes, pubs e lojas foram subitamente fechadas. O mercado de alimentos, varejo em geral e entretenimento virou online e o dinheiro físico praticamente desapareceu.

A porcentagem de calorias antes fornecida por restaurantes teve que ser redirecionada para supermercados, que possuem grandes propriedades, muitos empregados e complexa capacidade logística.

O outro grande vencedor foram os gigantes do varejo online. As lojas de rua têm sofrido com a concorrência da internet há anos. Agora, muitos espaços de varejo “não essenciais” estão fechados e nossos desejos foram redirecionados via Amazon, eBay, Argos, etc.

Nos mantendo distraídos em casa está a indústria de streaming de entretenimento – um setor de mercado dominado por grandes corporações, incluindo Netflix, Amazon Prime (novamente), Disney e outras. Outros gigantes online, como Google (dono do YouTube), Facebook (dono do Instagram) e Twitter, oferecem mais plataformas que dominam o tráfego online.

O elo final da cadeia são as próprias empresas de entrega: UPS, FedEx, Amazon Logistics (novamente), bem como a entrega de alimentos da Just Eat e Deliveroo. Ainda que seus modelos de negócios sejam diferentes, suas plataformas agora dominam os movimentos de produtos de todos os tipos.

A outra virada para o domínio corporativo tem sido um afastamento do dinheiro em moeda apoiado pelo Estado para serviços de pagamento sem contato. Obviamente, esse é um corolário dos mercados online, mas também significa que o dinheiro se move para as grandes corporações que pegam sua fatia ao movê-lo. Visa e Mastercard são os maiores atores, mas Apple Pay, PayPal e Amazon Pay (novamente) registraram aumentos no volume de transações. 

Governando pandemias

No nível estatal, a Peste Negra causou a aceleração das tendências em direção à centralização, o crescimento da tributação e a dependência do governo de grandes empresas.

Na Inglaterra, o declínio do valor da terra e as consequentes quedas em receita levaram a coroa a tentar limitar os salários nos níveis anteriores à praga e a impor impostos adicionais à população. Nos surtos subsequentes de peste, o movimento começou a ser restringido por toques de recolher, proibições de viagens e quarentenas. 

Isso fazia parte de uma concentração geral do poder estatal e da substituição da antiga distribuição regional de autoridade por uma burocracia centralizada. Muitos dos homens que dirigiam a administração pós-praga foram retirados de famílias mercantes inglesas, algumas das quais ganharam poder político significativo.

Os comerciantes também ganharam influência política comprando terras, o que lhes permitiu entrar na nobreza baseada em propriedade de terras ou mesmo na aristocracia, casando seus filhos com os filhos e filhas de lordes sem dinheiro. Com seu novo status e com a ajuda de sogros influentes, as elites urbanas ganharam representação política no parlamento.

No século XVI, a concentração do comércio e das finanças nas mãos de empresas evoluiu para quase um monopólio de bancos reais e papais por um pequeno número de companhias que também detinham monopólios ou quase monopólios das principais mercadorias e importações da Europa, da Ásia e das Américas.

Pós-coronavírus

O resultado a longo prazo da Peste Negra foi o fortalecimento do poder das grandes empresas e do Estado. Os mesmos processos estão acontecendo muito mais rapidamente durante o lockdown do coronavírus.

Mas devemos ter cuidado com lições históricas fáceis. As circunstâncias de cada período são únicas. E a COVID-19 não matará um terço de qualquer população, portanto, embora seus efeitos sejam profundos, eles não resultarão na mesma escassez de trabalhadores.

A diferença mais profunda é que o vírus ocorre no meio de outra crise, a das mudanças climáticas. Existe um risco real de que a política de retomar uma economia em crescimento simplesmente supere a necessidade de reduzir as emissões de carbono. Este é o cenário de pesadelo, em que a COVID-19 é apenas uma prequel de algo muito pior.

Mas as enormes mobilizações de pessoas e dinheiro que governos e empresas empregaram também mostram que as grandes organizações podem se remodelar e ao mundo extraordinariamente rápido, se assim o desejarem. Isso fornece motivos reais para otimismo em relação à nossa capacidade coletiva de reprojetar a produção de energia, transporte, sistemas alimentares e muito mais – o novo “Green Deal” (acordo verde) que muitos políticos têm apoiado.

*Eleanor Russell é doutoranda em História na Universidade de Cambridge, Reino Unido. Martin Parker é professor de Estudos Organizacionais na Universidade de Bristol, Reino Unido. Esta é uma versão editada do artigo publicado originalmente em The Conversation e aparece aqui com a permissão dos autores. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome