Ocupar Brasília 24M

238


Milhares de caravanas se organizam em todo país para Ocupar Brasília. Muitos já estão neste momento nos ônibus. Outros se preparam para a viagem no dia de hoje. Amanhã o capital do país vai ser ocupada pelos trabalhadores e pelo povo.


 


A marcha já estava acertada como parte do calendário unificado de luta contra as reformas. Mas ganhou outra proporção depois do escândalo de corrupção que levou o Governo Temer à beira do colapso.


 


Estamos certos que a saída para o Brasil não virá do judiciário ou dos procuradores da Lava Jato. Obviamente também não virá nada de progressivo do Congresso Nacional. O poder judiciário, o poder executivo e o poder legislativo estão em conflito, mas todos estão contra os interesses dos trabalhadores e do povo pobre. Defendem as reformas, amanhã ou depois estarão juntos legitimando o ataque aos nossos direitos.


 


Fora Temer e suas Reformas


Temer ainda resiste. Precisa cair. E faz toda a diferença a participação decisiva dos trabalhadores e do povo neste processo.


 


Nossa luta é para derrubar Temer e suas reformas. Muita gente está em dúvida, pensando que agora as reformas estão paradas, acreditam que ganhamos um folêgo.


 


Não nos enganemos, faz muita diferença se Temer cair em meio a protestos, greves e mobilizações da classe trabalhadora.


 


Se o povo participa, estamos mais fortes pra lutar contra as reformas, que irão reaparecer mais cedo ou mais tarde.


Eleições Diretas pra Presidente e pro Congresso


Eles querem eleições indiretas, mudaram a Constituição para atacar nossos direitos, agora argumentam que o “rito constitucional” prevê eleições indiretas no caso da saída de Temer.


 


Quanta hipocrisia! Para mudar os investimentos em saúde e educação por 20 anos, não tiveram nenhum apego às normas constitucionais.


 


Não aceitaremos uma saída por cima para a crise política.


 


Por uma nova greve geral


Tudo isso só será possível com uma nova greve geral. A greve é o nosso instrumento de luta, é a nossa maior força. No dia 28 a classe trabalhadora parou as grandes capitais e as cidades médias, podemos repetir e ampliar este processo.


 


As centrais sindicais majoritárias precisam de uma postura firme. Não podemos esperar nem mais um dia. É urgente marcar a data da nova greve geral.


Por uma Frente de Esquerda Socialista


Não é possível conciliar interesses de traba­lhadores e empresários. Para tirar o País da crise é preciso muito mais do que reeditar o governo Lula. Será preciso enfrentar os interesses do capital financeiro e da burguesia, anulando as reformas e suspendendo a dívida pública, entre ou­tras medidas.


 


Só uma alternativa anticapitalista e totalmente independente poderá fazer isso.


Nossa tarefa é construir essa alternativa política nas lutas. A unidade entre o PSOL, o PCB, o PSTU, o MTST e outros movimentos sociais pode representar a construção de um projeto novo com coragem e independência para enfrentar o poder econômico.


 


Source: SAIU NA IMPRENSA – 400

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome