Para ter justiça social precisa ir à raiz do problema

13

É possível celebrar o Dia Mundial da Justiça Social, que transcorre nesta terça-feira, 20 de fevereiro, mas é essencial confrontar uma verdade incômoda: o capitalismo, sistema econômico predominante no mundo, não tem como propósito promover dignidade para todos os membros da sociedade. Em vez disso, perpetua e até mesmo exacerba as desigualdades que assolam nossas comunidades globais.

Por William Oliveira

É possível celebrar o Dia Mundial da Justiça Social, que transcorre nesta terça-feira, 20 de fevereiro, mas é essencial confrontar uma verdade incômoda: o capitalismo, sistema econômico predominante no mundo, não tem como propósito promover dignidade para todos os membros da sociedade. Em vez disso, perpetua e até mesmo exacerba as desigualdades que assolam nossas comunidades globais.

Dados destacam a extensão desta desigualdade. Segundo o Relatório sobre as Desigualdades Mundiais do World Inequality Lab, os 10% mais ricos detêm mais da metade da renda global, enquanto os 50% mais pobres têm acesso a apenas uma fração mínima desta riqueza.

Além disto, a ONU (Organização das Nações Unidas) estima que 1,3 bilhão de pessoas vivam em condições de pobreza, sendo mulheres e grupos étnicos os mais afetados. No Brasil, a extrema pobreza atingia 31,6% da população em 2022, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O capitalismo é um dos principais culpados por esta injustiça social. Baseado na acumulação de capital e na busca incessante pela multiplicação do lucro, este sistema se beneficia da miséria e da exploração dos mais vulneráveis.

No entanto, apesar dos desafios impostos, é fundamental reconhecer as lutas e conquistas da sociedade em busca de justiça social. Medidas como a lei de cotas, programas de assistência social como o Bolsa Família, Farmácia Popular e diversas outras políticas voltadas para a inclusão e a redução das desigualdades.

A justiça social requer mudanças estruturais e políticas que abordem as raízes profundas da desigualdade e garantam oportunidades iguais para todos os membros da sociedade.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome