Santander antecipa Reforma Trabalhista e bancários fecham sete agências em João Pessoa

309

Os Bancários da Paraíba realizaram, na manhã desta quarta-feira (31), protestos em sete agências do Banco Santander, em João Pessoa – Varadouro, General Osório, Praça 1817, Retão de Manaíra, Cruz das Armas, Tambaú e Selecta – Epitácio Pessoa. O evento foi contra a antecipação da reforma trabalhista, de forma unilateral, para prejudicar os trabalhadores, desrespeitando a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), vigente até 31 de agosto.

Alvo dos protestos, o Banco espanhol, que lucrou em 2017 mais de R$ 9,95 bilhões, quer implementar uma série de medidas para retirar direitos e precarizar ainda mais o atendimento aos clientes e usuários.

 

No dia 20 de dezembro o banco já havia sido alvo de protestos devido a adoção de medidas arbitrárias, em que o banco informou a alteração do dia de pagamento dos salários, do dia 20 para o dia 30, e os meses de pagamento do 13º salário, antes março e novembro, agora passam a ser maio e dezembro, sem dialogar com seus funcionários.

Para o presidente do Sindicato, Marcelo Alves, a categoria bancária precisa estar atenta a essas medidas. “Apesar de possuir um dos maiores lucros do sistema financeiro, o banco não mede esforços para retirar direitos e prejudicar seus funcionários com decisões que desrespeitam os trabalhadores e a sua organização, o que se configura como prática antissincial que o banco vem aplicando repetidamente, em nome do lucro pelo lucro, como reza a cartilha de Michel Temer e sua quadrilha”, desabafou.

Os trabalhadores também sofrem com os aumentos abusivos do plano de saúde, que tem causado dificuldades para muitos deles bancarem os custos. Outro problema constante no banco é o grande número de demissões. Nos últimos dias, o banco dispensou 200 funcionários. “Não bastasse tudo isso, o banco já informou que vai aplicar o parcelamento das férias. Que ninguém se iluda que esse parcelamento será negociado. Como podemos ver, negociação não é uma característica do banco”, completou o dirigente sindical da Contraf-CUT, Mario Raia.

Hora de mobilizar

A Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos bancários tem vigência até 31 de agosto de 2018. No Santander há também um Acordo Aditivo. “Se não reagirmos a esse ataque agora, assim que terminar a vigência do acordo e da CCT, podem ter certeza de que o banco espanhol vai cortar todos os direitos dos trabalhadores que a nova lei trabalhista lhe permite. Ou cruzamos os braços agora ou vai piorar depois”, disse Maria Rosani, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome