Webinar destaca o papel das TICs na promoção do desenvolvimento regional

3

O evento online, realizado pela Sudene nesta sexta-feira (20), foi o terceiro da série de webinars sobre inovação para o desenvolvimento do Nordeste.

Evento destacou ações da Sudene no setor para ampliar o ambiente de inovação em TICs e utilizar projetos do setor como fatores de desenvolvimento regional.

Três debatedores abordaram o panorama da Inovação; impactos da estratégia de TIC; e Indústria 4.0 no Nordeste. A primeira apresentação ficou por conta de Francilene Garcia, Doutora em Engenharia Elétrica, professora e pesquisadora da UFCG/CEEI/UASC, para quem “o futuro é digital, verde e inclusivo”. Foi destacado que a transformação digital é um eixo fundamental em direção a economias mais sustentáveis e que deve estar sintonizada com as estratégias para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Francilene chamou a atenção para as fragilidades a serem enfrentadas na Região Nordeste, como analfabetismo entre jovens e adultos, alta taxa de informalidade, além de defasagem tecnológica e pouca diversificação da agricultura e indústria. Com relação às capaciades regionais, foram apontados o potencial energético, interiorização do ensino superior, presença de ecossistemas de inovação, desenvolvimento de cidades médias e predominância da Caatinga, “um bioma rico e muito especial”.

Para Francilene, “a preparação digital e a resiliência foram chaves para quem navegou pela crise causada pela Covid-19”, gerando impactos positivos como diversidade e inclusão. Um aspecto trazido pela pandemia foi o fortalecimento do trabalho remoto, ampliando o uso de novas tecnologias e levando as instituições a rever suas dinâmicas internas de gestão de pessoas. “o engajamento do funcionário assumiu o topo da agenda de transformação à necessidade das organizações a equilibrarem as práticas de trabalho com a saúde dos funcionários”. Outro ponto importante sobre as perspectivas de transformação digital nos pós pandemia é a tendência das organizações continuarem alavancando a transformação digital para “fortalecer vínculos entre funcionários, clientes e sociedade”.

Para o cenário pós pandemia será necessário, segundo Franciele, vencer desafios como déficit de talentos e de pessoas especializadas e preparadas; acesso universal a dispositivos móveis de alta qualidade e políticas públicas para promoção da inclusão digital, habilidades, proteção da privacidade e identidade universal.

Rotas de TIC

Em sua apresentação sobre estratégia de TIC e seus impactos para o Nordeste, André Rafael, coordenador Nacional da Rota de TIC do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), afirmou que essas rotas são promotoras da inclusão produtiva e do desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). A estratégia é incentivar a criação de redes de cooperação entre órgãos federais, estados e municípios, “construindo sinergias locais, regionais e nacionais, através da articulação, coordenação e convergência de políticas públicas”.

André elencou experiências positivas na Europa, Estados Unidos e China, com atuação em especialização inteligente, cooperação entre clusters, apoio à requalificação, investimentos em conectividade, Parcerias Público Privadas para desenvolvimento tecnológico e outras ações. O coordenador enfatizou que a economia digital está crescendo e que “o Nordeste precisa dar um salto nessa agenda”. Em relação às Rotas de TIC do MDR, explicou que elas fazem parte de uma estratégia de desenvolvimento regional, urbano e setorial, com o objetivo de apoiar a estruturação de uma rede de polos de TICs, capazes de alavancar cadeias produtivas regionais, estruturando uma rede policêntrica de municípios inteligentes.

Foram apresentados os polos de TIC já implantados no Nordeste, com os principais projetos em execução, financiamentos, carteira de projetos e modelo de governança. A Região conta com o Polo Mangue Digital (que abrange 15 municípios da Região Metropolitana do Recife e se se propõe a ser um líder nacional em soluções para transformação digital, por meio da cultura empreendedora e inovativa); com o Polo Paraíba Digital (que registra a participação de 74 municípios de regiões próximas à Campina Grande, Itabaiana e João Pessoa, priorizando o Agro 4.0, Cidades Inteligentes, Educação Transformadora, Governo Digital e Indústria 4.0) e com o Polo Sertão Digital (que abrange a Ride Petrolina-Juazeiro e visa ser referência regional em Educação Transformadora, soluções digitais para o agronegócio e Cidades Inteligentes até 2030). A Sudene é parceira do MDR na implantação dessas rotas.

Indústria 4.0

Esse é um tema que também vem tendo uma atenção especial da Sudene e no encontro de hoje foi abordado por Djalma Guimarães, Doutor em Engenharia de Produção e professor adjunto da Universidade de Pernambuco (UPE). Djalma apresentou o Programa PE 4.0, resultado de uma parceria entre a Sudene e o Governo de Pernambuco, voltado para a revitalização da indústria rumo à chamada indústria 4.0, que vem sendo executado juntamente com o Instituto de Inovação Tecnológica da Universidade de Pernambuco (UPE). A ideia é mapear as competências do setor, formar pessoal (residência tecnológica) e elaborar projetos em tecnologias habilitadoras para a indústria 4.0. Essa iniciativa gerou a extensão do projeto para outros estados da área de abrangência da Sudene, agora denominado NE4.0.

A iniciativa em Pernambuco, segundo Djalma, vem atendendo aos setores de confecção; higiene e beleza; construção; automotivo; tintas e alimentícios. Ele destacou que as empresas acreditam que o programa pode proporcionar ganho em eficiência, redução de custos e receita adicional.

A reunião de hoje contou com a participação da coordenadora geral de Promoção do Desenvolvimento Sustentável de Meio Ambiente da Diretoria de Planejamento da Sudene, Beatriz Lyra, que fez a abertura do webinar; e do economista da Autarquia, José Farias, que foi o moderador. Na ocasião, Beatriz ressaltou a importância da inovação tecnológica para todos os setores produtivos e para o desenvolvimento da Região, “o que tem levado a Sudene a trabalhar com projetos na área de TIC”. Esse foi o terceiro encontro da série de webinars sobre inovação tecnológica. Os dois eventos anteriores debateram “Saúde Digital” e “Caprinovinocultura”. O quarto e último será sobre “Convivência com o Semiárido”.

Inovação é prioridade para a Sudene

A dimensão da inovação é a escolha estratégica do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) para reposicionar a produção e circulação de riqueza, emprego, oportunidades e qualidade de vida na área de atuação da Autarquia. “Ciência, Tecnologia e Inovação” é um dos eixos do plano, que prevê, entre outras ações, a criação de condições para que as cidades intermediárias se apropriem das novas tecnologias digitais (IoT e indústria 4.0), fortalecendo a eficiência dos serviços públicos. Um dos projetos do eixo visa à consolidação e difusão da TIC associada a IOT, inteligência artificial e indústria 4.0, em interação com o conjunto da economia e dos serviços da Região.

Assista o webinar:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome