52ª RCR – Evento discute conjuntura, questões internas do BNB e estratégias de luta dos trabalhadores

249



O auditório ficou lotado durante todo o dia de trabalho da Reunião do Conselho de Representantes da AFBNB. Na pauta, a conjuntura atual no Brasil, no mundo e os reflexos da crise – política, institucional e da democracia – nas empresas públicas, em especial no Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e na vida de seus trabalhadores.


Em sua saudação de abertura, a diretora-presidente da AFBNB, Rita Josina, ressaltou a importância de cada um na condução dos processos da entidade. “A Associação somos todos nós, que acreditamos e temos o sonho de um Nordeste melhor, de um BNB forte e de trabalhadores valorizados. Estamos há 31 anos nessa trajetória de lutas, sempre presente e sempre priorizando o diálogo, com autonomia”, ressaltou.


Além de Rita, a mesa de abertura contou com representação do BNB e das coligadas que estiveram presentes juntamente com representantes de movimentos sociais, da classe trabalhadora e de parceiros. Participaram do momento o diretor da FETEC Centro-Norte, Jacy Afonso; o diretor regional da Cooperforte, Edson Ferreira;  o conselheiro eleito dos trabalhadores (Caref), Alan Sousa; o presidente da Camed, Ocione Marques e o gerente do Ambiente de Representação e Assessoria Político-Institucional  do BNB, representando o presidente do Banco, Fábio Giraldes.


Nas falas dos presentes, o reconhecimento de que o momento é de união de esforços e de enfrentamento aos ataques à classe trabalhadora a partir da mobilização de base.


Ainda na manhã, os diretores da Associação José Frota de Medeiros, Waldenir Britto e Henrique Moreira conduziram o painel sobre conjuntura. Estado mínimo, desmistificação de falácias – contadas pelo governo e por setores da imprensa para justificar a redução de direitos – estratégias de enfrentamento e reflexões sobre erros, equívocos e aprendizados deram o tom dos debates, com ampla participação dos representantes.


Os pontos que têm marcado a ação institucional recente da AFBNB também foram apresentados por Medeiros, como a MP 785 – que utiliza recursos do FNE para o FIES; a mudança da taxa TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) para TLP (Taxa de Longo Prazo), esta última atrelada à Selic cuja volatilidade prejudica qualquer planejamento a longo prazo, inviabilizando políticas de desenvolvimento, que exigem tempo. O diretor de ações institucionais citou ainda projetos de lei acompanhados, como o da reintegração dos demitidos.


No início da tarde, os técnicos de campo se reuniram para discutir demadas especpificas da função. Abertos os trabalhos, o diretor de comunicação Dorisval de Lima apresentou as linhas de ação e demandas da AFBNB . Outro momento importante foi a interação entre os representantes e conselheiros eleitos e ouvidora da Camed, Capef, o conselheiro eleito, Alan Sousa, e o diretor regional da Coorperforte, Edson Ferreira.


Antes do encerramento, os presentes assistiram uma homenagem ao presidente do conselho fiscal da AFBNB, Leóstenis dos Santos, falecido em maio último e à ex-funcionária da entidade, Silvia Priante, que faleceu este mês. Após esse momento, os representantes se dividiram para discussão nos grupos regionais.


A cobertura completa desse dia será feita posteriormente no jornal Nossa Voz.


DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome