AFBNB realiza visitas em unidades do interior do Ceará

238



Foto: AFBNB em Sobral (CE)


Na última semana a AFBNB realizou diversas visitas em agências do interior do estado do Ceará e o cenário observado não é dos melhores. Os problemas vão desde estruturas sem a mínima condição de trabalho, superlotação de agências, carência de pessoal e falta de dignidade no que tange às questões da saúde do trabalhador no Banco do Nordeste do Brasil (BNB). O diretor Assis Araújo observou vários desses problemas in loco e constatou em conversas com funcionários o descaso e a aflição com as recentes decisões tomadas pelo Banco.


Na manhã de quinta-feira (21) a AFBNB se reuniu com os funcionários lotados em Sobral (CE). A agenda aconteceu em conjunto com representantes do sindicato da base local.  A principal pauta do encontro foi a reestruturação ora em curso no Banco, levada a cabo sem transparência e o diálogo necessários, no entender dos funcionários. A AFBNB ouviu as cobranças já anteriormente colocadas em reunião no Passaré, como a falta de diálogo prévio com os trabalhadores das agências; a falta de transparência durante o processo e a incoerência nos processos internos do BNB (relembre aqui). 


A AFBNB ratificou seu entendimento contrário ao modelo de reestruturação, realizado de forma unilateral, para justificar os ataques e a extinção de postos de trabalho via fechamento de agências e redução do quadro de pessoal, afetando todo o Banco – de modo geral, as agências já trabalham com lotação aquém da ideal para atender as demandas, fato constatado nas visitas feitas pela Associação.  Durante a reunião os funcionários se mostraram bastantes solidários com os colegas que estão passando pelo processo, confirmando que o governo atual não tem compromisso algum com os trabalhadores, os serviços públicos e seus órgãos.


O diretor falou da agenda da AFBNB em Brasília na defesa do fortalecimento do Banco, também sobre a última RCR na qual o tema foi devidamente pautado e onde se assumiu o compromisso da realização de uma audiência pública a fim de debater “as condições de trabalho no BNB e carência de trabalhadores”. A audiência está marcada para esta quinta-feira, 5 de outubro, na Câmara dos Deputados.


Foram visitadas agências em Santa Quitéria e Canindé onde foi constatado o efeito da carência de pessoal no BNB. Faltam seis funcionários na agência, três deles aderiram ao PID, sem qualquer reposição, o que reforça a necessidade de convocação dos aprovados nos último concurso.


Nos últimos dias 28 e 29 o representante da AFBNB esteve nas agências de Itapajé, Acaraú, Granja, Tianguá, Viçosa do Ceará e São Benedito. Contudo, a situação não muda de figura. Em Itapajé, há carência de pelo menos cinco funcionários, realidade que acarreta disfunções configurando a situação de “estrangulamento” do funcionamento da agência, o que não é um caso isolado dentro do BNB. Sobre a unidade de Granja há a informação, confirmada pelo Banco em reunião (relembre) com a AFBNB, de que a nova agência da cidade estará pronta em nove meses. “Dado que o banco informou em reunião que o prédio está a caminho e que estará pronto entre poucos meses seria bom que houvesse mais informação aos funcionários, pois estão sofrendo com as condições atuais de trabalho e sem saber da ‘novidade’. Se a informação de que as novas instalações procede, é motivador o compartilhamento dessa boa notícia”, assevera Assis.


Já em Viçosa e em Tianguá o drama dos funcionários se dá pela total ausência da Camed, que apesar disso, não poupa os trabalhadores dos descontos mês a mês. Uma das piores situações observadas foi em São Benedito, agência que às 15h estava lotada de clientes a espera de atendimento enquanto funcionários, sob alta pressão, convivem com ambiente sem as condições adequadas. As promessas de reforma do local são feitas há cerca de dez anos. Por enquanto, nada! Há carência de quatro funcionários na unidade.


Acompanhar o dia a dia desses funcionários e os dissabores pelos quais passam diariamente deveria ser um desafio à Gestão de Recursos Humanos e aos diretores que, distantes de tal realidade,  encapam o atual processo de reestruturação no BNB. A Associação seguirá denunciando os problemas, visitando agências, conversando com funcionários e clientes, mostrando qual é o verdadeiro BNB que ora se apresenta. O empenho desses homens e mulheres precisa ser valorizado e o BNB, fortalecido e respeitado.


 


O trabalhador do BNB merece respeito!


A AFBNB firme, com resistência e autonomia


Gestão Unidade e Luta


DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome