Deputado defende outras fontes para Fies

282


Diante da iniciativa do Governo Federal para transferir R$ 2 bilhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) para compor o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) – conforme O POVO publicou na edição de ontem -, o deputado federal Danilo Forte (PSB-CE) defende a busca de outras fontes para manter o programa do Ministério da Educação (MEC).


Entre as possibilidades, indica, estariam os recursos obtidos com a Lei da Repatriação, que ano passado rendeu R$ 46,8 bilhões aos cofres do Governo Federal. A Lei da Repatriação prevê a cobrança de 15% de Imposto de Renda e outros 15% de multa aos contribuintes – sejam pessoas físicas ou jurídicas – que tenham dinheiro não declarado no exterior.


O deputado ressalta que, com a crise hídrica, a “única alternativa” é investir na industrialização. Em outra frente, considera o programa de financiamento estudantil imprescindível ao desenvolvimento regional. “O Nordeste responde hoje por 1/6 da produção de riqueza do País, então a gente precisa de investimento industrial do FNE e também de mão de obra qualificada, que é o Fies que vai dar”, avalia, afirmando que “não dá pra cobrir de um lado e descobrir do outro”.


Ele destaca ainda que, em 2013, quando foi relator de medida provisória econômica, conseguiu viabilizar R$ 4 bilhões para o Banco do Nordeste (BNB), que opera o FNE. “Mesmo contra a vontade da equipe econômica, na época chefiada por Guido Mantega. Agora, a gente precisa se mobilizar da mesma forma”.


O FNE conta com recursos federais para financiar investimentos de longo prazo, além de capital de giro ou custeio. Os financiamentos são voltados para os setores agropecuário, industrial e agroindustrial, assim com os de turismo, comércio, serviços, cultural e infraestrutura. (Ligia Costa)


Source: SAIU NA IMPRENSA – 300

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome