GREVE forte incomoda? Então, negociação já!, por Dorisval de Lima

311


A greve Nacional e Unificada dos Bancários, iniciada no último dia 6/10, terminou a primeira semana com mais de 11.000 mil unidades de trabalho fechadas, entre agências e órgãos de centros administrativos dos bancos em todo o país. É a força da união, organização e Luta da classe trabalhadora, mostrando aos patrões (banqueiros e governos) a sua insatisfação com os maus tratos sofridos e exigindo melhores condições de trabalho, de atendimento à sociedade(segurança, por exemplo) e melhorias salariais. 


 


O movimento, que já nasceu forte, está incomodando. E não poderia ser diferente! Como nos outros anos já começam a circular as mensagens ameaçadoras; algumas sutis, outras mais descaradas mesmo! O famigerado interdito proibitório já começa a ser imposto, porém negado pela justiça, por ser um instrumento inconstitucional. No BNB, para não fugir ao “mais do mesmo”, uma mensagem “informativa” sobre as negociações (que sequer estão ocorrendo, por intransigência patronal) na qual consta uma “sutil” indução ao recuo do movimento, com um apelo às lideranças sindicais para respeitarem “o direito de ir e vir” dos que não aderirem, e com ênfase ao “compromisso com os negócios da instituição”, como se os que coerentemente e com toda razão estão em GREVE fossem irresponsáveis. Tal atitude, além de ser desrespeitosa e traduzir prática de assédio moral, também pode ser caracterizada como prática antissindical. E isso não é agir positivo. É uma ação mequetrefe, que não agrega nada.


 


Ao invés de enterrar a cabeça e continuar fingido que o problema não é seu, se esconder atrás da tal “mesa única de negociação” da Fenaban (que é a entidade responsável pelos bancos privados) como o próprio BNB enfatiza na sua missiva, ao afirmar que confia que a Fenaban vai solucionar o problema, o Banco deveria negociar de imediato as questões específicas, as quais já se arrastam por anos, sendo contemplados também os aspectos salariais. Dessa forma estaria sim, dando na prática, uma grande demonstração que de fato está preocupado com os funcionários, com os negócios e com a própria instituição. 


 


Viva a força da GREVE! 


 


Viva a união e a luta dos trabalhadores! 


 


Negociação já!


Source: Notícias – 500

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome