Lucro líquido do BNB cresce 139,5%; maior da história

279


Mesmo em cenário econômico adverso, o lucro líquido do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) atingiu R$ 732,1 milhões em 2016, superando em 139,5% o resultado de 2015. É o maior crescimento da história do banco, acima dos 107% positivos alcançados em 2015. Em termos nominais, é o segundo maior resultado, abaixo apenas dos R$ 747,8 milhões alcançados em 2014. Os dados constam do relatório anual do BNB 2016, divulgado hoje.


 


Conforme o documento foram mais de cinco milhões de operações contratadas, no valor de R$ 22,2 bilhões – queda de 8,2% ante 2015. Do montante, R$ 11,2 bilhões foram com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) – ligeira redução de 2,2% ante o exercício anterior, com R$ 11,5 bilhões.


 


O Crediamigo, destinado à microfinança urbana, teve R$ 8 bilhões em contratações, alcançando mais de 4,2 milhões de operações de crédito realizadas, atendendo a 2.287.455 clientes. Dos empréstimos de curto prazo, foi responsável por 79,7% das contratações. Já o destinado ao rural, o Agroamigo desembolsou R$ 1,97 bilhão (crescimento de 7,38%), em 481,6 mil operações.


 


Marcos Holanda, presidente do BNB, destaca, dentre outros fatores, que contribuiram para o crescimento do lucro, ganho extra de receita com o Programa de Repatriação de Recursos do Governo Federal. “Também fomos um dos poucos bancos que conseguimos reduzir expressivamente as despesas com aprovisionamento de crédito. Desde 2015 percebemos que o ano ia ser difícil e fizemos mobilização não só para emprestar dinheiro, como para que os clientes não atrasassem dinheiro”. A economia foi de R$ 422 milhões.


 


“Outro fator que contribuiu foi que utilizamos mais créditos tributários”. Isso porque o banco, quando gera resultado ele paga imposto ao Governo Federal e há hipótese do montante ser devolvido.


 


Mas, para além do lucro, Marcos frisa que o importante é o banco gerar impacto no Nordeste. “O BNDES, que é o grande banco de desenvolvimento do País, caiu em 61% seu desembolso para o Nordeste. É aí que nós mostramos a importância do BNB”, afirma.


 


Como destaques do ano passado, ele cita os lançamentos do Hub Inovação Nordeste (Hubine), para iniciativas inovadoras, do FNE Sol, financiamento para sistemas de micro e minigeração distribuída de energia, a partir de fontes renováveis, e do FNE Água, para gestão sustentável da água.


 


FNE 


Apesar de o saldo das disponibilidades do FNE ter crescido R$ 5,2 bilhões em 2015 para R$ 11,3 bilhões ao término de 2016. O saldo dos recursos comprometidos com operações de crédito teve redução de 11,9%, saindo de R$ 6,1 bilhões em 2015 para R$ 5,4 bilhões em 2016. Em quantidade de operações, houve crescimento de 6,4%, com 538.523 financiamentos contratados, resultado da ampliação do crédito à atividade produtiva.


 


Saiba mais


Abril será o maior mês em que mais trabalhadores farão o saque do FGTS.


Segundo a Caixa, 26% do total de retiradas devem ser feitas neste mês, que contempla quem nasceu em março, abril e maio. Os outros meses com maior volume serão maio e junho, com 25% do total de saques cada um. Em março espera-se um volume de 16% e junho, 8%.


 


De acordo com o Governo, a estimativa de saques é de até R$ 35 bilhões, dos R$ 43 bilhões disponíveis do fundo.


Source: SAIU NA IMPRENSA – 600

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome