Reforma trabalhista acaba com a CLT

227


Acordar cada dia mais cedo para enfrentar o trânsito das grandes cidades, sempre congestionado, trabalhar oito horas por dia. Depois de um dia exaustivo é preciso ainda mais paciência no trânsito até, finalmente, chegar em casa. O dia a dia do trabalhador brasileiro não é nada fácil. Mas, pode ficar mais difícil com a reforma trabalhista de Michel Temer.



A TV não mostra. O rádio não fala. O jornal não tem uma linha. Mas os prejuízos da medidas são muitos. Um, por exemplo, prevê trabalho negociação de jornadas longas, de até 14 horas por dia, sem o pagamento de hora extra. 



Outra mudança é a remuneração por produtividade, que fica sujeita a arranjos feitos em acordos e convenções coletivas. O receio é que a medida desobrigue o pagamento do piso da categoria.



Estão em jogo ainda o parcelamento de férias, o FGTS e o emprego formal. Pontos garantidos por lei, que, com a reforma, passarão a ser negociados pelas empresas. A reforma contraria princípios básicos da Constituição, como por exemplo, a jornada máxima de 44 horas semanais e a garantia do salário mínimo. Além de facilitar a criação de empregos temporários, que dão menos direitos aos funcionários. 


Source: SAIU NA IMPRENSA – 600

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome