Ex-presidente do BNB, João Alves de Melo adverte: “Com a palavra ‘inviabilidade’ definimos o desastroso efeito que essa MP viria provocar na operação dos Fundos Constitucionais caso fosse aprovada”.

247

A AFBNB conversou com o ex-presidente do BNB, João Alves de Melo, sobre o papel desenvolvimentista do BNB e os impactos devastadores que a MP 1052/2021 acarretará não apenas para a Instituição, mas para toda a região. Confira:

AFBNB – O senhor foi presidente do BNB em 1992 quando o cenário econômico e social brasileiro e nordestino era outro, mas o BNB já se apresentava como fundamental instituição de fomento ao desenvolvimento. O que mudou de lá para cá com relação à atuação do Banco?

Em 1992, quando assumi a Presidência do BNB, encontrei a Região Nordeste assolada por mais uma crise climática com efeitos negativos diretos sobre a economia e o social da região. De pronto adotei providências para minimizar o estado de carência e pobreza da região, conduzindo a aprovação da Presidência da República o primeiro Programa Nacional de Fomento a Geração de Emprego e Renda-PROGER, para ser operacionalizado com recursos do FNE e do FAT, e voltado para o financiamento de atividades produtivas de produtores individuais, micronegócios não formalizados, associações de produtores e micros e pequenas empresas. O objetivo do PROGER era gerar emprego e renda.

A nação brasileira, traumatizada com a cassação do Presidente da Republica, voltava a ter esperança no novo governo chefiado pelo Presidente Itamar Franco.

O cenário econômico era desanimador para investidores, pois a inflação tinha atingido níveis nunca vistos, requerendo medidas governamentais urgentes de implantação de um novo Plano Econômico para normalização da economia, daí surgindo o Plano Real, cuja implantação ocorreu a partir de 1994.

O BNB à época dava os primeiros passos na operacionalização do FNE e ainda não conseguia cumprir a determinação constitucional de aplicação de um mínimo 50% dos recursos do fundo no semiárido.

Muita coisa mudou ao longo destes 29 anos. O FNE atingiu a sua maioridade e hoje responde por aproximadamente 60% das aplicações do Banco no setor produtivo da economia regional. O apoio financeiro aos micros e pequenos já incorporou ao mercado uma massa de nordestinos da ordem de 15 milhões de cidadãos.

AFBNB – Como ex-presidente do BNB e tendo agora lançado o livro “João de Melo, o BNB e o desenvolvimento do Nordeste: Uma história de vida”, como o senhor avalia o papel desempenhado pelo Banco nos últimos anos diante de tantas ameaças de redução de seu potencial por parte do Governo?

O livro citado reúne uma série de ações e programas estruturados e implantados na minha gestão 1992/1995. Esses programas e essas ações tiveram crescimento significativo neste último quarto de século elevando o Banco do Nordeste à condição de indispensável ao desenvolvimento da região. As ameaças ao papel do BNB na sua função de banco de desenvolvimento e sobretudo a operacionalidade do FNE, que têm sido uma constante a partir de 1989, sempre partem de setores da vida nacional pouco comprometidos com as desigualdades regionais e alheios às estatísticas econômico-sociais da Região Nordeste.

AFBNB – O BNB já nasceu diferente dos demais bancos; nasceu em um momento de seca, de extrema dificuldade financeira e situado em uma região historicamente fragilizada. Essa desigualdade embora reduzida ainda persiste. O BNB tem acompanhado a evolução da região?

O BNB, pela forma como foi constituído, transformou-se em modelo de banco de desenvolvimento para o Brasil, a América Latina e o mundo. A sua missão de desenvolvimento da região Nordeste persistirá, pois embora o NE venha crescendo a taxas superiores às do Brasil ainda persiste um grande diferencial a ser superado no campo econômico e social.

O BNB tem sido o principal fator de evolução da região e detém o maior acervo de informações sobre o Nordeste graças aos permanentes estudos realizados sobre o seu desenvolvimento.

AFBNB – Desde que foi criado, há mais de 60 anos, o BNB sofreu inúmeros ataques, seja ao próprio banco seja ao FNE que é sua principal fonte de financiamento. Por que recursos estáveis para regiões como o Nordeste despertam tanto interesse? Por que querem botar a mão nesse dinheiro?

O BNB foi criado com o suporte dos recursos estáveis advindos do Fundo das Secas instituído pela Constituição de 1934 e ampliados pela Carta Magna de 1946. Nos seus 13 anos iniciais de funcionamento contou com esses recursos estáveis para cumprir a sua função de banco de desenvolvimento. A Carta Magna de 1967 extinguiu o Fundo das Secas levando o BNB a mera condição de um banco de repasse, condição está que perdurou até a criação do FNE pela Constituição de 1988.

O interesse pelos recursos do FNE por Governos estaduais e Federal advém do fato de se tratar de uma fonte permanente e estável de recursos e muito mais pela falta de estadistas no comando das unidades federadas e da nação, que consigam avaliar a função macro desses recursos para o desenvolvimento regional.

AFBNB – A MP 1052/21 em discussão neste momento no Congresso reduz as taxas de administração das instituições que gerem os fundos constitucionais. O que essa redução representa para a atuação do Banco no âmbito do Desenvolvimento Regional?

Com a palavra “inviabilidade” definimos o desastroso efeito que essa MP viria provocar na operação dos Fundos Constitucionais caso fosse aprovada. Inviabilizando a atuação dos bancos gestores na operacionalização dos fundos os efeitos econômicos e sociais oriundos da sua aplicação cessariam, provocando em contrapartida um novo crescimento das disparidades regionais.

AFBNB – Como as entidades de representação dos trabalhadores (Associações e Sindicatos) devem atuar para barrar projetos como esse e lutar em defesa do BNB?

Este caminho já foi praticado pelas associações de funcionários dos bancos de desenvolvimento (BNB e BASA) e das autarquias de desenvolvimento regional (SUDENE e SUDAM), por ocasião da Constituinte de 1988. Hoje com pequenos ajustes poderíamos por em prática as mesmas estratégias, em permanente articulação com os Bancos de Desenvolvimento.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome